• Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Úlcera por Pressão / Diretrizes para Prevenção / WOCN 2003

Imprimir

Diretrizes da WOCN – Wound, Ostomy, and Continence Nurses Society 2003: Prevenção da Úlcera por Pressão

 

1 - Avaliação

  • Fazer avaliação de risco do paciente na admissão (utilizando escala de Braden ou Norton) e repetir em períodos regulares ou quando há mudança importante na condição do indivíduo.
  • - Cuidados Intensivos: Fazer a avaliação inicial na admissão e reavaliar, pelo menos, a cada 48 horas ou sempre que a condição do paciente mudar ou deteriorar.

    - Cuidados de Longa Permanência: Fazer a avaliação inicial na admissão. Reavaliar semanalmente nas primeiras quatro semanas, depois a cada três meses e sempre que a condição do residente mudar ou deteriorar.

    - Cuidado Domiciliar: Fazer a avaliação inicial na admissão e reavaliar a cada visita.

  • Identificar grupos e situações de risco elevado, direcionando intervenções preventivas para minimizar o risco. Avaliar o paciente quanto à cognição, sensibilidade, imobilidade, fricção, cisalhamento e incontinência.
  • Avaliar a história de úlcera anterior e a presença da úlcera atual, tratamentos prévios ou intervenções cirúrgicas que aumentam o risco para o desenvolvimento de úlceras adicionais.

 

2 - Intervenções

  • Qualquer mudança deve ser registrada incluindo a descrição das mudanças na pele assim como qualquer ação realizada.
  • Limpar e secar a pele após cada episódio de incontinência.
  • Estabelecer um programa de controle de bexiga e intestino para pacientes com incontinência.
  • Considerar o uso de dispositivos coletores de urina ou fezes para proteger a pele contra os efluentes. Em situações onde a gravidade da incontinência urinária contribui ou contamina a úlcera por pressão, a sonda vesical de demora pode ser indicada por um curto período de tempo.
  • Evitar massagem vigorosa nas regiões das proeminências ósseas.
  • Utilizar barreiras para proteger e manter a integridade da pele contra as incontinências.
  • Reduza a fricção e o cisalhamento.
  • Realizar avaliação nutricional na admissão e quando houver mudanças na condição do indivíduo que aumentem o risco de má nutrição.
  • Avaliar os parâmetros laboratoriais para determinar o estado nutricional como a albumina, pré-albumina, transferrina ou contagem de linfócitos totais.
  • Avaliar a nutrição para medir a efetividade das intervenções nutricionais.
  • Encaminhar para profissionais treinados para selecionar equipamentos/materiais apropriados para a redução da pressão para cadeiras, cadeira de rodas e camas.

 

3 - Redução da carga mecânica, posicionamento e uso de superfícies distribuidoras de pressão

  • Planejar movimentação e re-posicionamento em horários regulares e freqüentes para indivíduos restritos ao leito ou à cadeira. Mudar o decúbito dos indivíduos que estão em colchões re-distribuidores de pressão, pelo menos, a cada 2-4 horas ou, pelo menos, a cada 2 horas aqueles que estão em colchões que não redistribuem a pressão.
  • Reposicione pelo menos a cada duas horas ou menos se houver risco elevado.
  • Utilizar travesseiros ou outros dispositivos para reduzir (controlar ou redistribuir) a pressão sob os calcanhares.
  • Evitar utilizar rodas de espuma, argolas ou pele de carneiro para a redução da pressão.
  • Manter na posição lateral em 30°.
  • Manter a cabeceira da cama elevada a 30 graus ou menos, ou no menor ângulo de elevação possível, de acordo com a condição clínica do paciente.
  • Usar lençol móvel ou forro no leito ou equipamentos para mudar a posição ou transferir os pacientes.
  • Colocar os indivíduos “em risco” de desenvolvimento de úlceras por pressão em superfícies que reduzam a pressão e não em colchões hospitalares tradicionais.
  • Usar dispositivos re-distribuidores de pressão em salas de cirurgia para indivíduos avaliados como de risco elevado para o desenvolvimento de úlcera por pressão.
  • Reposicionar os pacientes restritos à cadeira a cada hora, caso não sejam capazes de realizar o re-posicionamento para re-distribuição da pressão a cada 15 minutos.
  • Posicionar os pacientes restritos à cadeira com atenção a anatomia, alinhamento postural, distribuição do peso e suporte para os pés.

 

4 - Educação

  • Educar os pacientes e cuidadores sobre as causas e fatores de risco para o desenvolvimento da úlcera por pressão além de maneiras para minimizar os riscos.

 

Referência

WOUND, OSTOMY, AND CONTINENCE NURSES SOCIETY (WOCN). Guideline for prevention and management of pressure ulcers. Glenview: WOCN, 2003. (WOCN clinical practice guidelines series, 2).

 

Online

Nós temos 9 visitantes online